Mato Grosso precisa ser o supermercado do mundo, não o celeiro, diz presidente da Fiemt

No momento você está vendo Mato Grosso precisa ser o supermercado do mundo, não o celeiro, diz presidente da Fiemt

O presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Gustavo de Oliveira, defende que o aumento da industrialização é um dos principais vetores para o desenvolvimento econômico e social do estado. E um dos caminhos mais rápidos para isso está na agroindústria, aumentando o processamento da produção agropecuária. 

“Nos acostumamos a dizer que Mato Grosso é celeiro do mundo porque somos os grandes produtores de grãos do planeta. Mas, precisamos avançar. Nós precisamos ser o supermercado do mundo, industrializar o que produzimos aqui, transformar isso em comida e alimentos, é isso que o mundo demanda. Quanto mais alimentos industrializados nós tivermos aqui, teremos mais emprego, mais renda e menos desigualdade”. 

Conforme estudos da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a cada R$ 1,00 produzido na indústria, são gerados R$ 2,4 na economia brasileira. Enquanto isso, na agricultura o retorno é de R$ 1,66 e no comércio e serviços é de R$ 1,49. 

Mato Grosso está deslocado do cenário nacional em termos de produção industrial. Enquanto a o setor no Brasil caminha a passos lentos para a retomada do crescimento, variando em saldos negativo ou baixo desempenho na média nacional, o estado coleciona números positivos. De janeiro a julho deste ano, a alta foi de 23,5%, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice alcançado por Mato Grosso está bem à frente do segundo colocado, seguindo pela Bahia (7,9%) e pelo Rio de Janeiro (3,3%). 

A análise dos números feita pelo Observatório da Indústria da Fiemt mostra que esse crescimento em Mato Grosso é puxado principalmente pela industrialização de alimentos, tais como carnes de bovinos congelados, extração de soja, peles, couros e rações para animais. Um bom desempenho também é observado no setor de bebidas, de produtos de madeira, de produtos minerais não-metálicos e produção de biocombustíveis. 

Produção industrial de Mato Grosso cresce 23% no acumulado deste ano

“No contexto nacional, a indústria de Mato Grosso tem participação pequena. A vantagem é que temos uma oportunidade imensa de crescimento e já temos indústrias modernas, totalmente 4.0, com tendência clara para continuarmos neste caminho”, afirmou. 

A indústria de Mato Grosso é responsável hoje pela geração de cerca de 150 mil empregos e o setor representa 16% de todos os bens e serviços produzidos no estado, com PIB de cerca de R$ 20 bilhões.  

agroindustria
MT  mantém 62% do seu território preservado, enquanto
é o maior produtor de grãos do mundo. Foto: Arquivo

Economia verde

Outra grande oportunidade para Mato Grosso está ligada à demanda do mercado mundial pela chamada economia verde, especialmente na produção de alimentos e combustíveis com impacto ambiental reduzido e com baixa emissão de carbono na atmosfera. Conforme Gustavo, mais do que uma agenda ambiental, essa é uma agenda econômica. 

Mato Grosso mantém 62% do seu território preservado, enquanto é o maior produtor de grãos do mundo. A matriz energética do estado tem fontes predominantemente renováveis, como hidrelétricas e com alto crescimento no segmento da energia solar. Com relação aos combustíveis, o estado é o terceiro maior produtor de etanol do país e segue em expansão. E ainda há um potencial gigante a ser explorado que será consolidado com novos investimentos em infraestrutura logística, especialmente com a construção de ferrovias e investimentos em tecnologia. 

“A nossa indústria var ser o grande vetor de desenvolvimento do Brasil nas próximas décadas e uma vitrine para o mundo. Somos um estado que produz e conserva e se o mundo quer essa agenda de sustentabilidade, pode vir aqui para Mato Grosso que nós mostramos como se faz”, disse Oliveira. 

Deixe um comentário