Saúde Mental no Trabalho: 65% dos empregados têm problemas como depressão e ansiedade

No momento você está vendo Saúde Mental no Trabalho: 65% dos empregados têm problemas como depressão e ansiedade
Divulgação

As empresas precisam entender a diferença entre saúde mental debilitada e doenças mentais crônicas para poderem criar empregos que não prejudiquem a saúde mental e permitam que as pessoas com doenças mentais tenham sucesso, de acordo com artigo no Academy of Management Annals. 

A saúde mental é um tema cada vez mais relevante no mundo contemporâneo, especialmente no ambiente de trabalho. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que cerca de 15% dos adultos vivem com algum transtorno mental, como depressão e ansiedade, que podem impactar negativamente na saúde e no bem-estar dos trabalhadores. Estudos apontam que a depressão e a ansiedade são as principais causas de dias de trabalho perdidos e custos econômicos associados a transtornos mentais. 

A executiva de carreira e terapeuta Madalena Feliciano comenta que por isso, é importante que as empresas e os empregadores estejam atentos às necessidades dos trabalhadores e ofereçam um ambiente de trabalho saudável, com reconhecimento e autonomia, para prevenir o esgotamento profissional e outros transtornos mentais. A OMS e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) publicaram diretrizes práticas para governos, empregadores, trabalhadores e organizações, que visam prevenir os impactos negativos do trabalho na saúde mental, promover e proteger o bem-estar dos trabalhadores e dar suporte às pessoas com problemas de saúde mental. 

Alguns fatores de risco para a saúde mental no ambiente de trabalho incluem: 

– Conteúdo do trabalho/desenho da tarefa;

– Carga de trabalho e ritmo de trabalho; 

– Horário de trabalho; 

– Baixa participação em decisões relativas ao trabalho; 

– Adequação de ambiente e equipamentos; 

– Cultura e função organizacional;

– Relações interpessoais no trabalho; 

– Papel na organização; – Preocupações com o desenvolvimento de carreira; 

– Questões relativas à interface casa-trabalho; 

Para prevenir o esgotamento profissional e outros transtornos mentais, é importante que as empresas e os empregadores adotem medidas concretas, como: 

– Promover um ambiente de trabalho saudável e seguro, com condições físicas adequadas, que permitam aos trabalhadores desempenhar suas funções com segurança e conforto; 

– Fornecer suporte psicológico e emocional aos trabalhadores, por meio de programas de aconselhamento e terapia; 

– Encorajar uma cultura de respeito, tolerância e inclusão no ambiente de trabalho, que valorize a diversidade; 

– Promover o trabalho em equipe, a colaboração e a comunicação efetiva entre os trabalhadores; 

– Estabelecer metas realistas e alcançáveis, que permitam aos trabalhadores desempenhar suas funções sem sobrecarga física e emocional; 

– Garantir uma carga horária de trabalho razoável, que permita aos trabalhadores tempo suficiente para descansar e cuidar de sua saúde mental; 

– Fornecer treinamento e capacitação aos trabalhadores, para poderem desempenhar suas funções com segurança e efetividade;

– Oferecer benefícios e incentivos aos trabalhadores, como flexibilidade de horários, plano de saúde e folgas remuneradas. 

Além disso, é importante que os trabalhadores estejam atentos aos sinais de esgotamento profissional e outros transtornos mentais, como a síndrome de burnout, que pode levar à exaustão física e emocional. Madalena Feliciano cita algumas medidas que os trabalhadores podem adotar para prevenir o esgotamento profissional incluem: 

– Estabelecer limites claros entre o trabalho e a vida pessoal, evitando levar trabalho para casa e dedicando tempo suficiente para atividades de lazer e descanso; 

– Praticar atividades físicas e hobbies que proporcionem prazer e relaxamento, como caminhar, meditar ou ler; 

– Fazer pausas regulares durante o trabalho, para descansar e relaxar; 

– Buscar ajuda emocional, caso se sinta sobrecarregado ou estressado; 

– Estabelecer metas realistas e alcançáveis, que permitam desempenhar as funções sem sobrecarga física e emocional; 

– Comunicar-se abertamente com a equipe e os superiores, caso sinta que está enfrentando dificuldades ou problemas. 

A saúde mental no ambiente de trabalho é um tema relevante e que deve ser priorizado pelas empresas e pelos empregadores. A adoção de medidas concretas para prevenir o esgotamento profissional e outros transtornos mentais pode contribuir para garantir o direito à saúde mental e ao trabalho digno. É importante que as empresas e os empregadores estejam comprometidos com a saúde mental dos trabalhadores, fornecendo um ambiente de trabalho seguro e saudável, bem como suporte emocional e psicológico. Além disso, os trabalhadores também devem estar atentos aos sinais de esgotamento profissional e buscar ajuda quando necessário.

“Lembre-se de que a saúde mental é tão importante quanto a saúde física, e a prevenção de transtornos mentais no ambiente de trabalho é fundamental para garantir a qualidade de vida dos trabalhadores e a efetividade das empresas. Portanto, trabalhemos juntos para criar um ambiente de trabalho saudável e seguro, onde a saúde mental seja valorizada e protegida. Juntos podemos criar um ambiente de trabalho mais saudável e feliz para todos.” Finaliza Madalena Feliciano. 

Deixe um comentário